4.08.2015

das nossas decisões

já não me lembro há quantos anos deixei de beber leite e atenção eu gosto de leite, do seu sabor sem aditivos, de leite gordo, da densidade do leite das antigas garrafas de vigor, mas por indicação do meu gastroenterologista deixei de beber.

no campo alimentar são muitas as correntes e facilmente encontramos testemunhos que testam o impacto que a sua dieta tem no organismo e por ordem natural na sua saúde.
até hoje não encontrei uma dieta em que me sentisse plena. há alimentos que não consumo e apesar de estar em voga a dieta paleo, o alto consumo de carne assusta-me.

as minhas preocupações alimentares prendem-se com um único objetivo, - sentir-me com saúde. procuro alimentos que reforcem o sistema imunitário e sobretudo anti-inflamatórios.

mas nem sempre é fácil. iniciei este post dizendo que deixei de beber leite e para mim isso é natural, sem quaisquer tipos de transtorno, não fosse esta última ida a Castelo de Vide e não me tinha apercebido que as nossas decisões por muito pequenas que sejam podem ser grandes problemas.

na casa onde ficámos, estava o pequeno-almoço preparado para o dia seguinte, mas sem chá...

a culpa é minha que não avisei, mas serviu-me de lição e passarei a andar com um ou dois pacotes de uma qualquer infusão.

quanto a esta matéria as opiniões também se dividem. para muitos o chá não vem em pacotinhos, é preciso pôr a chaleira ao lume e respeitar os tempos. há quem repudie a cultura do agrafo...

nesta matéria sinto-me mais à vontade para dizer se tiver tempo e quiser fazer determinados chás, coloco sim a chaleira ao lume e nascem chás destedestedeste e ainda deste outro tipo e de outros tantos colhidos diretamente da planta-mãe.

mas nem sempre tenho tempo e desenganem-se com a má qualidade dos chás dos pacotinhos. é preciso conhecer quem os fabrica, para saber aquilo que verdadeiramente estamos a beber e há muitos e muitos bons chás.

eu sou fã da kusmi, seja em pacotinhos seja na versão tradicional bem mais barata.

para o Manuel optei por duas marcas (kusmi e my cha) em duas versões sem taninos.

com as viagens dela chegaram-me outras marcas que vou testando, aprovando e rejeitando alguns.

ainda falando dos pacotinhos a Dammann, (embalagem preta na primeira fila), apresenta o seu chá em saquinhos de tecido sem qualquer agrafo e já agora se o problema é o metal tenham atenção a alguns infusores...

depois de escrever este post e ainda sem estar publicado uma amiga fazia uma ode a um outro chá, classificando-o do melhor entre os melhores. não consigo ser assim tão perentória, mas que é fabuloso, é.

a fotografia é da Anabela Isidoro

e não me posso esquecer dos presentes de uma outra amiga, a Cissa, e do seu Fauchon

ainda sobre estas folhas, não adiciono qualquer adoçante, o que também se passava com o café quando bebia, gosto de misturas improváveis e raramente bebo chá de camomila.
ao longo do dia procuro beber chás diferentes porque algumas ervas ingeridas em demasia tornam-se tóxicas. alterno o chá preto, com verde por causa das suas propriedades alcalinas e tendo nós uma alimentação demasiado ácida ajuda a equilibrar.

um curso que estou a ponderar fazer e saudades desta casa e do Porto, claro.

uma coisa é certa já estão dois pacotes dentro da minha mala.


Sem comentários:

Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...