9.30.2014

do Alentejo

este fim de semana regressámos ao Alentejo e confesso que na bagagem carregava uma boa dose de ansiedade.

como é que iria encontrar a casa, as pessoas, como é que conseguiria gerir uma infinidade de pensamentos que me têm acompanhado nestes últimos meses.

adiei a chegada à casa que habitei nos últimos 14 anos, deixei-me prender na conversa com amigos que fiz questão em rever.

surpreendentemente a casa tinha o meu cheiro e estranhamente senti-me no meu espaço, apesar de algumas coisas já terem sido arrumadas...

voltámos a sítios onde fui feliz


não sei se pela chuva que ameaçava cair, a Feira de Estremoz estava tristemente despida dos seus comerciantes.

faltou-nos um espelho bonito para cumprir uma tradição.

e ainda encontrámos cenas mais ou menos caricatas que nos fez soltar uma gargalhada.

regressámos ainda à Taberna do Adro, quatro anos desde a última vez, dez anos depois do M. ter nascido, (claro que pediu para ver novamente o livro da casa, onde já havia referências a ele), 15 anos depois de estar contigo e 17 quando a descobri.



regressei com duas grandes certezas, por muito que haja coisas que me encantem, eu não sou dali.

e que há pessoas que não valem um caracol e que mesmo em sítios pequenos não temos de ser obrigados a privar com elas a não ser que no fundo seja essa a nossa vontade...

3 comentários:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...