6.15.2014

mercado da ribeira

apesar de ter crescido no Estoril e de ter feito de Cascais a minha casa, a verdade é que Lisboa teve (tem) um papel importante nesse meu crescimento.

fui para a António Arroio com 14 anos ainda fazer o extinto 9º ano e era na Baixa Lisboeta que estavam as grandes casas de material de desenho.

começámos a frequentar o "Bairro" (Bairro Alto) e foi nas "catacumbas" que descobrimos outros nomes do jazz.

fiz a faculdade dividida entre a Rua Capelo e a Rua do Alecrim no Palácio Pombal e foi colada às Ruínas do Carmo que comecei a minha carreira profissional como designer na agência MKT.

fugi para os jornais (em boa hora) e mudei-me para o inicio da 24 de Julho bem pertinho do Mercado da Ribeira.

não tenho presente o dia, (talvez a quarta feira), mas sei que havia um em que o Mercado se enchia de flores. tornou-se ponto de paragem obrigatório. além das flores que trazia para casa era poder ver e sentir aquela explosão de cor e aroma.

hoje o Mercado está ainda mais bonito, com a traça original de 1882, mas de fachada limpa e renovada. uma decoração sóbria com a predominância do preto e branco.

há muito tempo que não ia lá e foi uma lufada de ar fresco.

um espaço que convida à permanência, não só porque mantém o comércio de produtos frescos, mas pela presença de 30 espaços gastronómicos, que passa pelo chefes como Sá Pessoa, Marlene Vieira, entre outros, ao Café de São Bento, Sea Me, Conserveira Nacional, Santini e a Arcádia.

Ai a Arcádia... e os seus macarons



eu segui para Alfama para dar um ateliê. ela refugiou-se no ginásio.

e em tempo de Santos Populares é preciso dizer

LISBOA É LINDA!

e parabéns a Alfama

Sem comentários:

Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...